como ensinar educação financeiro para os filhos

Como ensinar educação financeira para os filhos? 5 métodos práticos

É comum ouvirmos a frase: “os filhos são como esponjas”. De fato, as crianças estão o tempo todo absorvendo o que está à sua volta. Isso se aplica em muitos contextos, principalmente, no comportamentos dos pais.

Quando o assunto é a relação dos filhos com o dinheiro, muitos pais se questionam sobre como ensinar educação financeira para os filhos. 

E, infelizmente, outros nem sabem que isso é necessário.

Trata-se, portanto, de um ponto indispensável na educação. Afinal, o dinheiro estará presente em todos os momentos da vida.

Por isso, quanto antes forem ensinadas as boas práticas na sua utilização, mais saudável será a relação dos filhos com o dinheiro, principalmente na vida adulta.

Como educar os filhos financeiramente?

A partir dos 8 anos de idade já é possível incentivar as crianças a pouparem dinheiro. Mas antes mesmo disso, aos 4 ou 5 anos de idade, é importante começar a construir uma consciência sobre o consumo.

Dizer não aos desejos dos pequenos e explicar que o dinheiro dos pais não é inesgotável é essencial desde o momento em que elas aprendem a pedir.

Dessa forma, elas internalizam desde cedo que o dinheiro deve ser poupado e que não é possível, nem saudável, comprar tudo aquilo que deseja.

1) Você precisa ser um exemplo

mãe heroína sendo exemplo

A verdade é que a educação financeira já está acontecendo o tempo inteiro durante a criação dos filhos, ainda que seja pela ausência dela. 

Deixar de ensinar o valor do dinheiro e toda a responsabilidade que esse assunto carrega também é uma forma de construir uma percepção sobre esse elemento na vida da família e, consequentemente, do seu filho.

Portanto, é necessário ter consciência desse aprendizado e construir uma educação financeira ativa.

Educar alguém sobre o impacto do dinheiro, a sua utilidade, bem como os riscos e os problemas que podem estar envolvidos com esse tema, requer acima de tudo uma iniciativa pessoal para criar uma relação equilibrada com o dinheiro. 

Os filhos reproduzem grande parte do que aprendem em casa. Portanto, podemos afirmar que a máxima “o exemplo ensina” funciona também no caso da educação financeira.

Esse é um caso onde se aplica muito bem a frase citada no início do texto “os filhos são como esponjas”.

Logo, para criar esse olhar para a própria relação com o dinheiro, é preciso notar os detalhes que muitas vezes passam despercebidos.

De simples ações do dia a dia até a forma de lidar com grandes decisões que impactam a vida financeira, confira abaixo algumas dicas para pôr em prática!

2) Ensine a conferir o troco

Quantas vezes por dia pegamos trocos na rua? Você fica atento quando recebe o troco ou coloca no bolso e só deixa para contar quando chega em casa?

Essa ação pequena e diária pode ser um ótimo começo na educação financeira dos filhos.

Incentivar as crianças e adolescentes a conferirem o troco gera um hábito que reflete na sua atenção com o dinheiro.

Ao ensinar seu filho a conferir o troco, você gera diferentes oportunidades de aprendizado.

Primeiro, o hábito cria uma necessidade de atenção sempre que ele for lidar com o dinheiro.

Segundo, é possível exercitar a ética por meio desse simples gesto. 

Devolver o troco quando receber um valor maior pode ser mais útil para ensinar o seu filho sobre honestidade do que longas conversas sobre o tema.

guia bilíngue bannerPowered by Rock Convert

3) Comece com a mesada

Mais útil do que explicar é proporcionar à criança a experiência de ter o próprio dinheiro e tomar decisões sobre como utilizá-lo.

Alguns especialistas defendem que a mesada deve ser adotada por volta dos 6 anos de idade, quando a criança já começa a ter noção sobre a função do dinheiro.

Inicialmente, os pais podem oferecer quantias semanais, a fim de ajudá-la a ter mais controle.

Vale destacar que o valor que os pais podem oferecer não é o mais importante e sim o hábito de dar à criança a responsabilidade sobre o próprio dinheiro.

Portanto, não é preciso pensar em grandes quantias para oferecer mesada ao filho.

A prática é ainda um reforçador para as crianças aprenderem desde cedo a realidade da família.

Outra forma de ensiná-las a poupar é o famoso cofrinho.

Incentivá-las a ter um cofre para juntarem dinheiro também é uma forma de colocar em prática a educação financeira dos filhos.

4) Questione os impulsos dos seus filhos

Compras impulsivas são um verdadeiro problema quando se tornam um hábito. Portanto, quanto mais cedo a criança aprender a controlar seus impulsos, melhor para a sua saúde financeira futuramente.

Uma forma de incentivar esse controle é questioná-la sobre a necessidade da compra que ela pretende realizar.

Todas as vezes que ela quiser um brinquedo novo, pergunte se ela realmente precisa daquele brinquedo, mostre o que ela já tem e faça-a esperar um tempo antes de comprá-lo.

Assim, ela poderá até mesmo esquecer aquele impulso e desistir de comprar algo que não seria necessário.

Reforce positivamente essa atitude, parabenizando-a pela capacidade de reconhecer de compreender que se tratava de um impulso.

5) Incentive brincadeiras gratuitas

Cada vez se torna mais difícil encontrar uma brincadeira que não envolva consumo, principalmente com os dispositivos digitais acessíveis a todas as idades.

No entanto, é preciso ensinar as crianças que consumo e diversão não precisam andar sempre juntos. Existem diversas maneiras de se divertir sem precisar gastar dinheiro. 

Ao dissociar o prazer do consumo você criará adolescentes e adultos mais capazes de se adaptarem a diferentes condições, bem como evitar que se tornem compulsivos ou endividados. 

Mostre ao seu filho que a criatividade é muito mais compensadora do que o consumo.

Educação financeira vai muito além do dinheiro

A partir de tudo que trouxemos neste material, é possível compreender que educar os filhos financeiramente é se preocupar não só com finanças, mas com valores e com a felicidade das crianças.

Se você quer saber como ensinar educação financeira para os filhos é preciso incentivar o autocontrole, criar senso de responsabilidade e dissociar prazer e consumo.

Essas são tarefas importantes na educação de crianças saudáveis e conscientes.

Portanto, não tenha medo de colocar em prática as nossas dicas. Dê dinheiro para os seus filhos, mas ensine-os que as decisões que eles tomarem terão consequências. 

Não há nada melhor que a experiência para ensinar crianças.

Gostou do conteúdo? Compartilhe com a gente o que mais te interessou no tema. Vamos adorar saber a sua opinião!

Quer receber mais conteúdos sobre educação de bebês e crianças?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.